Todas as pessoas têm um umbigo. Por mais que isso passe despercebido na maior parte do tempo, a cicatriz nos faz lembrar da união que existia entre o filho e a mãe antes do nascimento. Dessa forma, não é estranho se perguntar: cachorro tem umbigo? 

Essa dúvida pode gerar uma verdadeira controvérsia, uma vez que a anatomia dos peludos parece não trazer muitas respostas para o olho inexperiente. Se você quer saber a resposta, continue lendo esse artigo extraído do Perito Animal.

 

Todos os animais têm umbigo?

O cordão umbilical é um pequeno “tubo” orgânico, responsável por facilitar o transporte de oxigênio e nutrientes para o feto durante a gestação. Após o nascimento, o cordão é removido, cortado ou cai com o passar dos dias, uma vez que não será mais utilizado. O local por onde o cordão estava ligado acaba deixando uma marca, que é o que conhecemos como “umbigo”.  

Agora, certamente você reconhece isso como uma marca humana, mas será que outros animais também possuem? A resposta é sim, mas não todos.

 

Quais são os animais que têm umbigo?

  •  Mamíferos: animais vertebrados que têm sangue quente e se alimentam de leite materno durante os primeiros dias de vida, como as girafas, ursos, cangurus, ratos, cachorros e muitos outros.
  • Vivíparos: animais que nascem a partir de um embrião que se desenvolve dentro do útero materno após a fecundação. No útero, eles se alimentam dos nutrientes e do oxigênio que precisam enquanto os órgãos se formam. Embora muitos animais com umbigo sejam vivíparos, nem todos os animais vivíparos têm umbigo. Para isso, é necessário que cumpram com a condição abaixo.
  • Vivíparos placentários: todos os vivíparos placentários têm umbigo, ou seja, aqueles animais cujo embrião se desenvolve no útero da mãe enquanto são alimentados pela placenta através do cordão umbilical. Na maioria dos animais vivíparos placentários, a cicatriz após a queda do cordão umbilical é muito pequena, quase imperceptível. Além disso, alguns têm muitos pelos, o que dificulta a tarefa de encontrar a marca.

 

Já que cachorro tem umbigo, onde fica?

Após o parto, a mãe dos filhotes corta o cordão umbilical pouco a pouco – e geralmente o come. O resíduo seca no corpo dos recém-nascidos e então cai em poucos dias. Nas semanas seguintes, a pele começa a cicatrizar até o ponto em que se torna difícil localizar onde estava o cordão.

Em alguns casos, pode acontecer da mãe cortar o cordão muito perto da pele e gerar uma ferida. Quando isso acontece, recomendamos que você vá ao veterinário imediatamente, pois é necessário determinar se a lesão vai se curar por conta própria ou através de intervenção cirúrgica.

 

Doenças relacionadas

Por mais raro que seja, existem alguns problemas de saúde relacionados ao umbigo do cachorro, sendo o mais frequente deles a hérnia umbilical em cães, que aparece durante os primeiros dias de vida e se manifesta na forma de um caroço duro na área da barriga. É recomendável esperar um período de aproximadamente seis meses para que a lesão reduza, após esse período você pode optar pela cirurgia ou pelo tratamento recomendado pelo veterinário.

A maioria das hérnias umbilicais não representa um problema que precisa ser tratado com urgência, mas também não devem ser negligenciadas.

Recomendações para animais submetidos a cirurgias desse tipo:

  • Passeios curtos e tranquilos, evite atividades que representem muito esforço físico.
  • Varie a alimentação e ofereça alimentos de qualidade.
  • Evite que o pet lamba a ferida, já que isso pode ocasionar a remoção dos pontos.
  • Controle regularmente a situação dos pontos durante a recuperação.
  • Limpe a ferida com frequência, de acordo com as instruções do veterinário. Lembre-se de ser delicado para evitar qualquer incômodo ou desconforto.
  • Elimine todos os focos de estresse, ofereça um ambiente relaxado e distante de barulhos irritantes.