Um dos problemas de natureza psicológica que mais afeta a população de todo o mundo também pode atingir os pets, principalmente os cães e os gatos. Quando falamos de depressão em animais, estamos falando de seres que não conseguem expressar de forma clara seus problemas – como, geralmente, um humano faria mesmo que com dificuldade –, fazendo do diagnóstico um desafio. Por isso, a Universidade de Bristol realizou uma pesquisa para investigar as causas e ajudar na identificação dos sintomas. Continue lendo o texto para saber mais sobre o tema.

Fatores que desencadeiam a depressão em animais

Muitos são similares ao dos seres humanos:

  • Abandono
  • Morte de um ente querido
  • Introdução de um novo indivíduo na família – da mesma espécie ou não
  • Mudança de ambiente e/ou rotina
  • Solidão
  • Entre outras experiências consideradas traumáticas

Para os tutores mais atentos e mais próximos de seus amigos de quatro patas, não é difícil notar a mudança de comportamento do pet que se encontra deprimido. Mesmo os cães mais animados e cheios de energia, de uma hora pra outra passam a evitar atividades, se isolam em algum cantinho da casa, rejeitam qualquer tipo de interação, perdem o apetite e, em alguns casos, passam a se morder e lamber insistentemente até causar lesões.

 

Diagnóstico

Ao suspeitar de depressão em animais, é necessário procurar um médico veterinário imediatamente. Somente o profissional poderá identificar um problema psicológico e diferenciá-lo de outras doenças que podem apresentar os mesmos sintomas.

Entretanto, traçar uma relação entre a falta de ânimo e algum acontecimento recente pode facilitar o diagnóstico.

 

Tratamento

Diferentes tipos de medicamentos e atividades podem ser recomendadas pelos veterinários para o tratamento do estado depressivo em cães e gatos, variando de acordo com a intensidade da doença em cada animal e também do motivo que acarretou o problema.

Florais de Bach, homeopatia e outras terapias alternativas podem ser uma boa opção. Mas medicamentos alopáticos, como antidepressivos, também podem ser necessários, desde que prescritos e administrados por um profissional.

Lembre-se sempre de prestar atenção em quais são as necessidades do animalzinho de estimação que você escolheu, leve-o para passear, dê carinho e brinque bastante ou sempre que possível. Os bichinhos, assim como os seres humanos, necessitam do carinho e contato daqueles que amam, e isso é essencial para a recuperação da depressão em animais.

 

Texto por Patrícia Mota | Fonte: Portal Bonde.