Essa pode até ser a primeira vez que você esteja em contato com este assunto, mas isso não diminui sua importância. Apesar de não ser tão falada, a depressão em cachorro existe e grande parte de seus sintomas, prevenção e tratamentos são muito similares aos da depressão humana.

Assim como a gente, cãezinhos também têm uma série de emoções e da mesma forma que elas podem ser prazerosas, podem também gerar desânimo e entristecimento. Mas você saberia identificar se seu pet sofre de depressão canina? O que você faria para ajudá-lo a reverter essa situação?

Para te ajudar a ficar por dentro do assunto e garantir o bem-estar do seu companheiro, nesse artigo nós falaremos um pouco mais sobre as causas e o tratamento para a depressão em cães.

Ok, cachorro tem depressão, mas como isso acontece?

Na maioria das vezes, a depressão canina surge nos cachorros de companhia, que são aqueles que – independentemente da raça – emocionalmente dependem mais da atenção de seus tutores. Assim, qualquer mudança de rotina entre o pet e seu dono e/ou de ambiente pode desencadear a depressão.

A chegada ou a partida de outro pet também pode gerar depressão em cachorro. Caso seu cãozinho esteja acostumado a ser o único pet da casa, a chegada de outro bichinho de estimação combinada à diminuição da atenção pode ocasionar o entristecimento do cachorro. Da mesma forma que se ele estiver acostumado a conviver com outros pets, a partida de seus companheiros também pode gerar desânimo e melancolia.

Além disso, outros fatores que podem gerar a depressão canina são:

  • Violência e maus tratos
  • Ficar preso em espaço pequeno
  • Ficar muito tempo sozinho
  • Experiências traumáticas ainda quando filhote
  • Morte de um membro da família

Como eu posso identificar e tratar a depressão em cachorro?

Alguns dos sintomas clínicos de depressão em cachorros, são:

  • Intolerância a outros cães (e até seres humanos)
  • Morder o próprio corpo
  • Apatia em grande parte do tempo
  • Perda de apetite
  • Isolamento

Apesar de atenção e carinho ser alguns dos principais “remédios” para a depressão em cachorros, nem sempre isso por si só reverte o quadro do seu pet. Assim como acontece com a gente, às vezes é necessário tomar medicamento. Nesses casos, nem precisamos dizer que a automedicação não deve ser feita, né? Ainda mais quando falamos de problemas psicológicos, em que os remédios são extremamente fortes e específicos.

Caso você note a mudança de comportamento em seu cachorro e suspeite que seja depressão, leve-o a um profissional de confiança. Após diagnóstico, ele encaminhará qual é o melhor tratamento para o seu pet.

É importante lembrar que também existe terapia para cachorros com depressão. Nesses casos, o veterinário especializado atuará como se fosse um psicólogo e, com a sua ajuda, ele observará o comportamento do seu pet para identificar o que pode ter desencadeado a depressão no seu companheiro.