A depressão é sem dúvida um dos problemas de natureza psicológica que mais afeta a população ao redor do mundo, mas saiba que este é um mal que não afeta somente os humanos. Os animais, principalmente cães e gatos, também podem desenvolver a doença.

O fato destes animais não poderem nos falar sobre os seus problemas, como um humano normalmente faria, pode dificultar e muito o diagnóstico. Por isso, a Universidade de Bristol realizou uma pesquisa para investigar as causas e nos ajudar a identificar os sintomas da depressão em pets.

O estudo mostra que os fatores que levam cães e gatos a entrarem em depressão são similares aos dos seres humanos. Experiências traumáticas, abandono, morte de um ente querido, introdução de um novo indivíduo sendo da mesma espécie ou não, mudança de ambiente ou rotina e solidão são alguns deles.

Para os donos mais atentos e mais próximos aos seus amigos de quatro patas, não é difícil notar a mudança de comportamento do animal que se encontra deprimido. Mesmo os cães mais animados, de uma hora pra outra, passam a evitar atividades que adoravam praticar, se isolam em algum cantinho na casa, rejeitam qualquer tipo de interação, perdem o apetite, e em alguns casos, passam a se morder e lamber insistentemente até causar lesões em si mesmo.

Ao detectar alguma dessas alterações de humor, o dono deve imediatamente procurar um médico veterinário, pois somente ele terá o necessário para identificar um problema psicológico e diferenciá-lo de outras doenças que podem apresentar os mesmos sintomas. Entretanto, o dono traçar uma relação entre a falta de ânimo do animal a algum acontecimento recente pode facilitar o diagnóstico.

Diferentes tipos de medicamentos e atividades podem ser recomendados pelos veterinários para o tratamento do estado depressivo em cães e gatos, variando de acordo com a intensidade da doença em cada animal e também do motivo que acarretou o problema.

Florais de Bach e homeopatia têm demonstrado uma resposta significativa, porém medicamentos alopáticos, como antidepressivos, também podem ser necessários em alguns casos, desde que prescritos e administrados por um profissional.

Antes de considerar um tratamento medicamentoso, lembre-se que você também pode ajudar a combater e até mesmo evitar a depressão do seu amigo com amor, atenção e sendo um dono responsável.

Preste atenção em quais são as necessidades do animalzinho de estimação que você escolheu, leve-o para passear, dê carinho, brinque bastante. Os animais, assim como os seres humanos, necessitam do carinho e contato daqueles que amam, e isso será essencial para a sua recuperação.

 

Texto por Patrícia Mota