Assim como em humanos, a gastroenterite canina é uma inflamação das mucosas do estômago e intestino delgado. A doença, que pode ser provocada por ingestão de comida em mau estado e plantas tóxicas, impede a absorção correta dos alimentos e da água, causando mal-estar e vômitos. 

O que mais pode causar a gastroenterite canina?

  • Alimentos em má conservação;
  • Água contaminada;
  • Contato com cachorro doente;
  • Ingestão de plantas tóxicas;
  • Infecção viral, fúngica ou bacteriana.

Os fatores citados acima podem ser os responsáveis pela gastroenterite canina. Mas, na maioria das vezes, não é possível constatar com exatidão. Dessa forma, é importante que a alimentação e o comportamento do pet sejam supervisionados, não permitindo que ele experimente alimentos de lixeiras ou da rua. Retirar da dieta alimentos que provocam reações alérgicas ou problemas digestivos também é uma boa.

 

Conheça os sintomas

  •  Vômitos constantes;
  • Diarreia;
  • Apatia;
  • Perda de sede e do apetite.

 

O que fazer?

Tratando-se da forma mais leve da doença, algumas medidas que tomamos em casa podem fazer com que o pet volte a comer com normalidade e se recupere em dias. Confira:

 

Hidratação

Durante a gastroenterite canina, o cachorro perde muitos líquidos e sais minerais. Por isso, deixe sempre à disposição água fresca e limpa.

 

Quando consultar o veterinário?

 A forma leve da gastroenterite canina pode ser administrada em casa, conforme citado acima. Porém, se o caso do seu cachorrinho for um dos seguintes, é necessário consultar o veterinário imediatamente para evitar complicações:

  • Se o seu cão é um filhote, uma gastroenterite pode ser perigosa. Leve-o ao veterinário para evitar a desidratação;
  • Sangue no vômito ou nas fezes pode indicar complicações, o veterinário deve realizar uma análise de sangue para confirmar a causa e, em caso de infecção bacteriana, antibióticos devem ser administrados.

Lembre-se: nunca deve administrar antibióticos por conta própria. A dose e duração do tratamento devem ser indicadas pelo veterinário de confiança.

Fonte: Perito Animal