A gravidez psicológica, tecnicamente chamada de pseudociese, é um problema que afeta de 50 a 70% das cadelas adultas e pode ser uma experiência bastante traumática.

Embora o quadro seja mais comum em cachorras não castradas, o problema também pode se desenvolver em fêmeas que foram castradas em um período de até três meses após o começo do cio. Muitas vezes, aparece até mesmo em cadelas que nunca cruzaram.

O problema se dá devido as alterações dos hormônios no corpo do animal durante o cio. Algumas cadelas são mais sensíveis às oscilações hormonais, por isso seu organismo entende como se ela estivesse pronta para gerar seus filhotes, desencadeando mudanças que afetam tanto a parte física quanto a psicológica do animal.

Os sintomas são semelhantes ao de gravidez, a cadela se mostra inquieta, as mamas crescem, produzem leite e o peso aumenta. Observa-se ainda um comportamento materno, como organização de ninho, adoção de objetos, brinquedos ou outro animais. Algumas ficam agressivas, outras assustadas ou ariscas.

Os sintomas costumam desaparecer sozinhos dentro de duas semanas, mas ainda assim o processo pode ser muito doloroso e em alguns casos trazer outras complicações, como o “empedramento” do leite, inflamação nas glândulas mamárias, feridas, e em casos mais severos o aparecimento de tumores e câncer.

Por isso, ao notar os principais sintomas de gravidez psicológica em sua cachorrinha, é importante marcar uma consulta com um profissional veterinário. Com o diagnóstico correto, ele poderá auxiliar nas medidas a serem tomadas para amenizar o sofrimento e evitar que torne-se em um problema maior.

Remédios para secar o leite, equilibrar a produção de hormônios, anti-inflamatórios e antibióticos podem ser receitados. Compressas quentes nas mamas também podem ajudar em alguns casos.

A melhor maneira de prevenir a pseudociese ainda é a castração, já que evita a produção de hormônios ligados à gestação na pet, dessa forma diminuindo as chances do aparecimento do quadro.

 

Texto por Patrícia Mota