A hepatite infecciosa canina (HIC) é uma doença transmitida por vírus – adenovírus canino 1 (CAV-1) – e afeta o fígado dos cães. Filhotes com menos de um ano de idade são mais propensos a contrair a doença que é de fácil transmissão: basta entrar em contato com outro cachorro contaminado ou com objetos que esse cachorro teve contato. O problema pode ser fatal.

Também conhecida como Doença de Rubarth, a hepatite infecciosa canina pode ser prevenida através da vacina polivalente (v8 ou v10), uma das mais importantes, que previne também a parvovirose, a raiva canina e a cinomose – aliás, os sintomas da HIC são facilmente confundidos com o desta doença.

Faça nos uma visita e traga a caderneta de vacinação do seu pet para avaliarmos se ele está protegido.

 

Sintomas da hepatite infecciosa canina

A doença pode permanecer encubada por até sete dias, quando então os sintomas aparecem. Esses podem variar de acordo com o grau da doença e com o estado imunológico do cachorro, em três níveis: crônico, agudo e superagudo.

  • Crônico: a forma mais branda da hepatite infecciosa canina. Os sintomas quase não se fazem presentes porque o organismo do cachorro foi capaz de se defender no vírus, eliminando-o.
  • Agudo: sintomas graves como vômitos, febre e diarreias com sangue. Em alguns casos, o sistema nervoso do animal é afetado e os sintomas passam a ser confundidos com cinomose, com paralisia e convulsões.
  • Superagudo: os sintomas podem nem aparecer, pois a doença atinge o organismo de forma tão intensa que o cachorro vem a óbito em poucos dias. Então, a doença só será descoberta através de necropsia.

 

Tratamento

A única forma de detectar que o pet está com hepatite infecciosa canina é por meio de exame de sangue – já conferiu o que preparamos para esse mês?

Após o diagnóstico, o tratamento é feito para atingir os sintomas apresentados. Isso porque ainda não existe um medicamento específico para a doença. Além desse controle, pode ser administrado antibióticos para evitar infecções e transfusões de sangue para ajudar o organismo do cachorro a lutar contra o vírus.

Para evitar tudo isso, basta vacinar seu cãozinho respeitando o calendário sugerido pelo veterinário e manter uma rotina de cuidados com a saúde.

Fonte: IG – Canal do Pet