No caso dos humanos, a obesidade é uma preocupação de saúde e estética mundial. Mas, curiosamente, quando falamos de obesidade em animais, encontramos muitos tutores que consideram o excesso de peso uma característica adorável. Isso é um erro grave.

No caso dos cachorros, manter um nível de peso adequado para seu tamanho, raça e idade evita problemas cardiovasculares, doenças hereditárias e dificuldade de mobilidade. Já para os gatos, excelentes saltadores, a obesidade implica na perda, principalmente, da agilidade.

Confira abaixo mais sobre obesidade em animais, causas e tratamento.

 

Obesidade em cachorros

Sintomas de obesidade canina

Identificar um cachorro obeso é fácil, uma vez que demonstra uma barriga saliente, imprópria para sua constituição. Lembre-se: um cachorro no seu peso ideal tem costelas levemente aparentes e um desvio até a região pélvica.

Cachorros obesos possuem comportamento sedentário, costumam ficar deitados ou inativos pela casa, sem revelar vontade de sair ou passear. Em alguns casos, quando dormem, roncam. Além disso, demonstram uma sensação de fome constante que resulta em ansiedade, criando um comportamento dependente de quem os alimenta.

Por fim, é importante destacar que os cachorros obesos têm uma expectativa média de vida inferior aos outros pets, podendo desenvolver doenças respiratórias, diabetes, pancreatite e até ataques do coração.

 

Como evitar obesidade canina

É muito importante que o cachorro receba a quantidade de alimento justa e necessária para o seu peso e tamanho. Quando o tutor falha nesta tarefa, pode estar dando origem a um princípio de obesidade. Recorra ao veterinário da sua confiança caso tenha dúvidas sobre a alimentação do seu bichinho, ele vai aconselhar e sugerir diferentes tipos de dieta.

Algumas dicas:

  • Calcule a ração que o seu cão necessita e divida em duas ou três dosagens para reduzir a sensação de fome.
  • Tente cumprir sempre os mesmos horários de refeição.
  • Mude de alimentação de forma regular, alternando ração com dietas caseiras e comida úmida.
  • Não ofereça guloseimas em excesso. Se está tentando adestrar o cachorro, é importante que as utilize apenas de vez em quando, caso contrário, ele não vai obedecer quando você não tiver nada para ele.
  • Faça com que o seu pet tenha sempre água fresca e limpa à sua disposição para reduzir a sensação de fome.
  • Não ceda aos seus pedidos de comida.

 

Como fazer um cachorro obeso emagrecer

Além da alimentação, é muito importante que o seu cachorro se mantenha ativo e em forma de acordo com a sua idade. O binômio esporte-alimentação é a forma mais saudável de manter um organismo vital. Essa é uma regra que pode ser aplicada a cachorros e pessoas. O exercício físico, aliado à dieta, é a melhor forma de fazer um cachorro emagrecer.

Não importa se tem um cachorro idoso, ele também pode realizar atividades para se manter em forma com exercícios específicos para ele.

Uma boa é o canicross, um esporte que exige que o tutor e o cachorro corram juntos, conectados através de uma trela específica para a prática. No entanto, não é necessário levar o exercício com o animal a esse ponto. Basta que realize bons passeios diários e faça sessões de exercício com ele durante os finais de semana.

Algumas dicas:

  • Evite as horas de calor, especialmente para tipos de cachorro com pelo comprido e grande constituição.
  • Procure se manter informado sobre diferentes atividades para passar o tempo com o seu cachorro.
  • Nunca deixe o cão praticar exercício se acabou de comer. A combinação de alimento e exercício podem provocar uma torção estomacal mortal para o seu pet.
  • Observe a atitude do cachorro no momento de praticar esportes. Se necessário, deixe que o animal descanse.
  • Tente se divertir com o cachorro, dedique algum tempo e ofereça carinhos no momento em que fazem exercício.

 

Obesidade em gatos

Atenção: o risco de sofrer esse transtorno é especialmente importante em gatos adultos cuja idade se situa entre os 5 e os 11 anos, no entanto, em numerosas ocasiões o tutor não é capaz de avaliar o peso corporal do seu gato, por esse motivo, uma assistência veterinária adequada e periódica é um fator chave para prevenir a obesidade em gatos.

 

Causas da obesidade felina

A obesidade em gatos não tem causas determinadas, tem fatores de risco que podem agir negativamente sobre o organismo do pet até desencadear um excesso de peso altamente perigoso para a saúde.

Veja quais são esses fatores:

  • Idade: gatos entre os 5 e os 11 anos de idade correm mais risco de desenvolverem o problema. Portanto, as medidas preventivas devem começar a ser adotadas quando o animal tiver perto dos 2 anos.
  • Sexo: os machos apresentam maior risco de sofrer com a obesidade. Acredita-se que isso se deve a castração.
  • Problemas endócrinos: o uso de anticoncepcionais químicos pode alterar o perfil hormonal do gato, o que diminui a sensibilidade à insulina e predispõe o organismo à acumulação de gordura. Outras doenças, como o hipotireoidismo, também podem estar presentes em um gato obeso.
  • Raça: os gatos vira-lata ou comum sofrem o dobro de risco de obesidade em relação aos gatos de raça pura.
  • Fatores ambientais: um gato que conviva com cães está mais protegido da obesidade, por outro lado, os gatos que não convivem com outros animais e permanecem em apartamento têm um maior risco de serem obesos.
  • Atividade: os gatos que não possam realizar atividade física ao ar livre têm um maior risco de sofrer com o excesso de peso corporal.
  • Comportamento do proprietário: tende a humanizar o seu gato? Não brinca com ele e utiliza principalmente a comida como reforço positivo? Esse comportamento está associado a um maior risco de obesidade no felino.

 

Doenças associadas à obesidade felina

  • Colesterol
  • Diabetes
  • Fígado gordo
  • Hipertensão
  • Insuficiência respiratória
  • Doenças infecciosas do trato urinário
  • Doença articular
  • Intolerância ao exercício
  • Diminuição da resposta do sistema imune

 

Tratamento da obesidade em gatos

O tratamento da obesidade em gatos requer assistência veterinária e um firme compromisso por parte dos tutores. No tratamento proposto pelos especialistas em nutrição felina podemos distinguir as seguintes etapas:

  • Avaliação inicial: o veterinário deve avaliar de forma individual o grau de sobrepeso que o animal apresenta, o seu estado de saúde e os fatores de risco que agiram sobre o animal.
  • Fase de perda de peso: é a primeira fase do tratamento e pode durar muitos meses. Nessa fase será imprescindível mudar os hábitos de vida do gato, instaurando uma dieta para gatos obesos e um estilo de vida mais ativo. Em alguns casos, o veterinário pode decidir prescrever também um tratamento farmacológico.
  • Fase de consolidação: essa fase deve manter-se durante toda a vida do gato, uma vez que o objetivo da mesma é manter o gato em um peso saudável. Geralmente não se modifica a atividade física, mas sim a alimentação, portanto, para fazer corretamente é imprescindível a supervisão veterinária.
Fonte: Perito Animal