Todos os anos, uma das frequentes causas de mortes em cães é por decorrência de ficarem presos dentro de carros estacionados, enquanto seus donos saem para seus afazeres. Seja por horas ou minutos, deixar seu cão dentro do carro pode ser uma armadilha fatal, e nós te contamos o porquê.

Estudos mostram que um veículo parado sob o sol e com os vidros fechados tem um aumento de 80% da temperatura nos primeiros 30 minutos. Isso significa que num dia em que a temperatura está em 32ºC, por exemplo, o interior do carro pode chegar até 70ºC em pouquíssimo tempo.

Animais como cachorros são mais sensíveis às alterações climáticas como o excesso de calor do que nós, humanos, pois eles não possuem glândulas sudoríparas, que são as responsáveis pelo suor. Isso traz uma maior dificuldade para eles refrigerarem seus corpos, já que suas únicas saídas são pela respiração e pelas almofadas das patinhas.

Quando preso dentro de um carro, com janelas fechadas e exposto ao calor interno do veículo, o cão pode apresentar respiração rápida, hipersalivação, saliva espessa, tremores musculares, vômitos, diarreia, falta de coordenação motora, perda de consciência, desmaios ou convulsões.

Dependendo da raça e do porte do animal, é possível acontecer danos cerebrais e até mesmo morte por insolação em apenas 15 minutos.

Por ser tão perigoso assim, a organização PETA escreveu um artigo pedindo para que, em caso de você notar que um cão está sozinho em um carro trancado, entre em contato imediatamente com as autoridades locais para resolver a situação.

Nesse caso, o cão deve ser removido do ambiente e levado para um local mais fresco. Você pode prestar os primeiros socorros resfriando as patas, a cabeça e a região do pescoço do cão com toalhas molhadas para baixar a temperatura. Nunca deve usar gelo para resfriá-lo, apenas água fresca, em temperatura ambiente. Se o cão estiver consciente, você também pode servir água.

cachorro-água

Após prestar os primeiros socorros, o cão deve ser levado ao veterinário para ser atendido por um profissional, mesmo que ele pareça bem, pois nunca sabemos o que a exposição ao superaquecimento pode ter causado aos seus órgãos.

Muitas pessoas acham que por reagir bem ao alívio de não estar mais no calor, o cão está a salvo e que não precisa de cuidados veterinários, mas ele pode acabar tendo o problema agravado e até mesmo vir a óbito depois de horas do ocorrido.

Agora que você está por dentro de todos os riscos, vale ressaltar que a única maneira de evitar que isso aconteça ao seu amigo, é nunca deixá-lo preso dentro do carro sozinho, seja por muito ou pouco tempo.

Para ser tutor de um cão, é necessário muitas responsabilidades para oferecer a ele uma vida segura, saudável e feliz.

 

Texto por Patrícia Mota