As orelhas dos pets são muito fofas e ótimas para fazer carinho, mas a depender do seu “tipo”, podem causar alguns probleminhas nos ouvidos deles, como a otite.

Cão balançando a orelha

Mais comum em cães que em gatos, a otite é uma inflamação do tecido de revestimento do canal auditivo externo, que deve ser diagnosticada pelo veterinário o quanto antes, para que não cause danos maiores e nem muito desconforto ao animal.

Dentre os fatores que causam este problema estão parasitas, alergias, corpos estranhos e também a água que pode entrar durante o momento do banho. Geralmente, os cães com orelhas maiores e caídas são mais propensos à otite, pois não recebem a ventilação necessária, criando maior umidade e impedindo a saída da cera. E aí tanto inflamação, quanto infecção, podem ocorrer.

O principal sinal de que o cachorro pode estar com otite é o movimento excessivo da cabeça. Eles também podem começar a coçar bastante a região das orelhas, além de apresentar vermelhidão, cheiro forte e até mesmo secreções e pus, nos casos mais avançados.

Medicar o animal em casa definitivamente não é adequado, por isso leve-o ao veterinário. Somente ele saberá qual a melhor opção de tratamento (seja ele pomadas, anti-inflamatórios ou até mesmo antibióticos).

Limpar os ouvidos do pet com cotonetes também não é opção, pois podem machucar e ainda causar outros problemas auditivos. Opte por algodão ou gaze e utilize uma solução especial para cães, que pode ser encontrada no Pet Shop do Centro de Saúde Animal Jardins.

Prevenir a otite é possível. No momento do banho, proteja a orelha do animal; se morar em locais propensos a carrapatos, observe se nenhum se alojou no local; e se tiver crianças em casa, veja se ela não está brincando de “guardar objetos estranhos” no ouvido do cãozinho.

Fique atento!

Por Tatiane Mota