Mesmo num país tropical, como o Brasil, em certas épocas do ano precisamos ‘turbinar’ nossas roupas para nos mantermos aquecidos. É nessa hora que muitos tutores se perguntam: e os bichinhos? Será que meu pet sente frio da mesma forma que eu?

Como se sabe, os animais possuem características diferentes dos humanos. Consequentemente, sua sensibilidade ao clima também não é a mesma – o que não significa que não sintam frio, muito pelo contrário.

Os cachorros e gatos acabam sendo tão sensíveis quanto nós. Por essa razão, é muito importante redobrar os cuidados para manter o bem-estar do animal com as baixas temperaturas.

 

Por que meu pet sente frio?

Bichanos e doguíneos possuem sangue quente. Assim, quando a temperatura externa do seu corpo diminui, passam a sentir frio, já que não conseguem se adaptar sozinhos ao clima.

Contudo, algumas raças de cães – próprias de regiões do mundo onde o clima é extremamente frio – toleram as baixas temperaturas, principalmente devido a pelagem densa e longa.

 

Como saber se meu pet sente frio?

Se o animal vive dentro de casa, não é difícil notar que ele sente frio ao vê-lo encolhido nas áreas mais quentes. Entretanto, se ele passa a maior parte do dia em ambientes externos, os sintomas podem ser variados.

Características que podem significar que seu pet sente frio:

  • Secura na pele;
  • Tremedeira;
  • Respiração lenta;
  • Sono anormal;
  • Movimentação lenta.

Dica: ao notar alguma parte do corpo enrijecida, faça uma massagem para ajudar a regular a circulação, leve-o para um lugar quente e cubra com uma manta. 

 

É fácil: melhores métodos para aquecer o pet 

  • Mantenha-os dentro de casa – principalmente os de pelo curto.
  • Se não for possível, coloque uma casinha em um local mais escondido – aloca-la de frente para a parede evita ventos gelados, também é uma boa inserir caminhas, almofadas, cobertores, paninhos, edredons, entre outros.
  • Roupinhas também são muito bem-vindas, ainda mais se forem de lã, algodão ou soft.

 

Outros cuidados

Durante o período de temperaturas baixas, algumas práticas do cotidiano devem mudar para não trazer problemas de saúde aos pets. Uma delas é o banho, que precisa ser dado com intervalos longos de tempo, para não causar infecções ou outras doenças de pele – banho a seco é uma boa alternativa para a situação!

Porém, quando se mostrar necessário, os banhos precisam ser administrados com água morna ou quente. Assim evita resfriados, gripe e até pneumonia. A tosa também pode ser realizada com menos frequência. Afinal, quanto mais pelos, mais proteção.