Conhecer lugares diferentes, seja por pura diversão ou apenas para relaxar, com certeza é um dos itens que não podem faltar nas férias. Hoje, viajar de avião é algo comum para a grande maioria dos brasileiros, mas aí vem a dúvida: animais de estimação podem ou não embarcar também? Sim, podem!

São diversas as exigências realizadas pelas companhias aéreas, e aqui vamos te deixar informado sobre todas elas.

Conforto no transporte

Planejar uma viagem demanda tempo, e se você pretende levar seu pet, avise a companhia aérea com antecedência, pois há um limite de cargas vivas por voo. Será necessário pagar uma taxa adicional, normalmente calculado com base no peso do animal, mais a caixa de transporte.

Estas caixas devem cumprir alguns requisitos, tanto para o conforto, quanto para a segurança do pet. O tamanho deve permitir que o animal fique de pé e dê uma volta completa em torno de si mesmo. Seu material deve ser rígido para resistir a qualquerGato e avião impacto que possa acontecer durante o voo, o fecho deve ser forte o suficiente para que não abra, o material do piso deve absorver e evitar vazamento de fezes e urina e deve contar com a identificação do cliente. Lembrando que estas caixas, que são vendidas em pet shops, são de responsabilidade do viajante.

Animais de pequeno porte podem viajar na cabine (também dentro da caixa de transporte). Já os de médio e grande porte vão no compartimento de carga. Se este é o seu caso, não fique preocupado, pois este ambiente é pressurizado e tem temperatura controlada.

 Saúde em dia

Também para garantir a segurança do animal durante o voo, serão exigidos alguns documentos que comprovem se o pet está apto para a viagem. Todos eles devem ser emitidos por um veterinário registrado no Conselho Regional de Medicina Veterinária da Unidade Federativa.

Para viagens nacionais, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) exige carteira de vacinação atualizada, em que estejam comprovadas as vacinas múltipla e antirrábica, além de tratamento com vermífugo. Já para as viagens internacionais, também é obrigatório apresentar o Certificado Zoosanitário Internacional (CZI), que pode ser obtido em uma consulta com o veterinário do Ministério da Agricultura, presente em aeroportos internacionais.

Contraindicação

Animais que possuem focinho curto (braquicefálicos), como é o caso do Pug, Buldogue Inglês e Boxer, que têm uma
predisposição a problemas respiratórios e não toleram muito bem temperaturas frias ou quentes, não devem viajar de avião, em especial no compartimento de carga.

Sedar completamente o animal também não é indicado. Antes de comprar qualquer sedativo, converse com o veterinário.

Mas fique atento!

Em alguns países, o transporte de animais não é permitido. Então, procure obter este tipo de informação assim que planejar a viagem com seu pet. Já os cães-guias são liberados em todos os voos, sem custo adicional.

Antes de qualquer viagem, não se esqueça de levar o animal ao veterinário para um check up completo!

 

Texto por Tatiane Mota